Carta ao Tite

0
652

Envelope
São Paulo, 01 de setembro de 2016

Caro Tite,

Há alguns anos escrevi uma carta aberta para o Ma-no; ele não deu muita bola e… veja no que deu?! Com o Dunga nunca acreditei e por isso nem tentei, mas deposito muita fé no seu trabalho, até porque, seu nome corrobora minha “tese”.

Repare só em uma coincidência interessante a respeito dos nossos craques, os apelidos com quatro letras. Como disse na época, “não são quatro letras quaisquer; são quatro letras que seguem uma combinação específica. Duas sílabas bem demarcadas, sempre com a sequência consoante-vogal-consoante-vogal”, assim como você, Ti-te.

Hoje você começa sua jornada pela seleção brasileira contra o Equador, pelas Eliminatórias para 2018, pedreira. Espero que observe com atenção, reflita sobre o que aqui copio daquela missiva e tome as devidas providências.

“Exemplos não nos faltam. Comecemos pelo maior de todos, Pe-lé. No final dos anos 70 e ao longo dos anos 80, Zi-co reinou absoluto, com seu coadjuvante Ti-ta. Antes dele, o maior craque do Flamengo foi Di-da. No começo dos anos 90, quem deu o primeiro título ao Corinthians? Ne-to; assim como o maior ídolo do São Paulo e comandante das maiores conquistas das décadas de 90 e anos 2000 foi (Rogério) Ce-ni. Falamos no tricolor e lembramos de quem? Pi-ta, Ka-ká e Mestre Te-lê.

Antes de Pelé, quem mandava no futebol brasileiro? Di-di. Ambos tinham como companheiro um gênio da raça, que, equivocadamente chamavam de Garrincha, mas cujo sucesso se deve a seu “nome-apelido”, Ma-né. E por aí vai, o maior craque do Bahia, Bo-bô; alguns dos nossos campeões do mundo, Va-vá e Zi-to; o artilheiro dos gols bonitos, Do-dô. O parceiro de Ademir da Guia, Du-du; o maior craque da história da Ponte Preta, Di-cá. E não pense que é só no Brasil não, Xa-vi, Ko-pa, Ri-va, De-co… estão aí pra comprovar a teoria.

Claro que há craques com nomes/apelidos com outra formação, mas repare que dificilmente alguém com as tais quatro letras não é craque.[…] Enfim, te escrevo tudo isso porque de repente, pode surgir alguma inspiração para sua próxima convocação. Nem que seja para o time de veteranos.”

É verdade que muita coisa mudou nos últimos anos, mas é justamente por isso que devemos resgatar nossa essência. Veja, até mesmo na seleção atual, qual é o apelido de Neymar, nosso principal craque? Jo-ia. É só saber enxergar.

um forte abraço,
Ro-ca