Anjos, demônios e santos do Futebol

0
732

AnjosFutebol
O futebol é mesmo imprevisível e, por isso, tão apaixonante. Os exemplos são inúmeros, mas fiquemos como exemplo com a semifinal de hoje do Paulistinha, Santos x Palmeiras. Desde o ano passado os dois times vem resgatando a rivalidade antiga e protagonizando partidas decisivas e emocionantes. Já falamos disso por aqui em Copa do Brasil: Palmeiras “na camisa” x Santos “voando”, Copa do Brasil: Santos x Palmeiras, 1 x 0 foi pouco e em Copa do Brasil 2015: um título da torcida do Palmeiras.

Se um lado tem Jesus, Moisés, Thiago (Martins), Matheus, Lucas (Barrios), o outro tem a santidade no próprio nome.

Ricardo Oliveira, Fernando Prass, Lucas Lima, Dudu, Rafael Marques, David Braz, Gabriel, Zé Roberto… são muitos os candidatos a herói ou vilão. Ano passado, nas finais do Paulistinha, Dudu perdeu pênalti e foi expulso. Na final da Copa do Brasil quem perdeu pênalti foi Gabeirl, do Santos. O pastor Ricardo Oliveira, com sua soberba, foi demonizado e Fernando Prass deu entrada nos papéis para ser canonizado em uma igreja que tem São Marcos como Padroeiro.

DemosFutebolNa partida de hoje, Gabriel, o arcanjo mensageiro, fez dois gols para o Santos e parte da torcida e dos comentaristas esportivos entenderam que a disputa estava liquidada. Rafael, o arcanjo da cura, precisou de dois minutos, bem no final da partida para salvar o Palmeiras. A disputa seria novamente definida nos pênaltis, caminho do céu e do inferno.

Lucas Lima, o craque do Santos, que vem chamando a atenção tanto pelo futebol quanto pelas provocações dirigidas aos palmeirenses, perdeu o primeiro e parecia destinado ao papel de demônio. O caminho celestial parecia aberto para São Fernando Prass, que no entanto, assim como Rafael Marques, perdeu sua cobrança, eliminando o Palestra.

A partida também entra para a história com a lamentável marca de ter sido o primeiro clássico com torcida única no estado de São Paulo. Decisão do capeta de nossos dirigentes.