Fazendo Música, Jogando Bola – Quando os Roqueiros mundiais se renderam ao nosso futebol (Parte 1)

1
1586

Quando os Roqueiros mundiais se renderam ao nosso futebol (Parte 1) – Por Fila Benário
BonoRonaldo
Fala galera, Fila Benário na área, chegando correndo aos 45 min do segundo tempo e cabeceando pra dentro do gol.

Na última segunda, dia 13 de julho, comemoramos o Dia Mundial do Rock, que para muitos é o melhor gênero musical já existente na face da terra. E aqui no Futebol-Arte, nós – digo, eu, Fila Benário – teremos o imenso prazer de realizar uma série que mostra o momento em que grandes nomes do Rock mundial se renderam ao futebol Brazuca, seja vestindo a camiseta de um clube brasileiro, ou até mesmo torcendo para algum time do nosso Brasil varonil.

Me limitei apenas aos clubes, excluindo qualquer tipo de foto de artista com a camiseta da Seleção do José Maria Marin, afinal de contas, isso é a coisa mais popular do mundo entre os artistas gringos, e vestir a camisetinha amarelinha é apenas uma média com o país e não uma paixão pelo nosso futebol.

Bora lá

Deep Purple – Grêmio
DeepPurpleGremio
Quem vê essa foto tão emblemática, de uma das maiores bandas de Rock de todos os tempos usando esse uniforme do Grêmio nem imagina o contexto todo da história.

Em sua primeira passagem pelo Brasil com o Deep Purple, o guitarrista Ritchie Blackmore, conhecido pelo seu temperamento difícil, tocou o terror por aqui. Deixou os produtores de shows loucos, exigindo tudo do bom e do melhor, e uma de suas excentricidades foi pedir que fosse organizada uma partida de futebol, o seu esporte favorito, e exigiu que o uniforme utilizado fosse nas cores “azul e preto”. Mais do que depressa os organizadores tiveram a feliz ideia de colocar a disposição do Sr. Blackmore o uniforme do Grêmio, e ele adorou. O que talvez ele não tenha gostado, foi da dura entrada que ele levou do jornalista André Barcinski no meio da partida, já que ele havia alertado que não era pra ninguém dividir a bola com ele e muito menos olhar na sua cara durante o jogo. Tal feito fez Barcinski ser aplaudido até pelo time de Blackmore.

Ozzy Osbourne – Flamengo
OzzyFlamengo
Se apresentando pela primeira vez no país, e logo na primeira edição do Rock In Rio, Ozzy veio para as terras brasileiras trazendo o melhor da sua carreira solo e fez um show apoteótico na Cidade do Rock, montada em Jacarepaguá (RJ), mesclando sucessos solo e grandes clássicos dos tempos de Black Sabbath.

O Brasil que havia recém saído da ditadura militar estava em festa e Ozzy foi o grande mestre de cerimônias. E para delírio dos Flamenguistas presentes na Cidade do Rock, o Madman trajou a camisa do Mengão durante o show, no entanto no final do show, ao invés de tirar a camisa, Ozzy preferiu rasgá-la no corpo, e assim ele fez a alegria dos torcedores rivais que viu Ozzy rasgando a camisa do Flamengo.

E não foi a primeira vez que Ozzy cometeu uma gafe futebolística assim, em 2010, Ozzy se apresentou no Rio Grande do Sul, no Gigantinho ginásio do Internacional, porém com bandeira de qual clube Ozzy entrou segurando no palco?
OzzyGremio

John Deacon (Queen) – São Paulo
JohnDeaconSaoPaulo
Tocando pela primeira vez no país, no ano de 1981, naquele que seria o primeiro grande show a acontecer em um estádio de futebol, o Queen fez um emblemático show no estádio do Morumbi, a casa do São Paulo Futebol Clube; aliás, falamos desse grande show em uma matéria mais do que especial aqui no Futebol-Arte.

E o baixista John Deacon resolveu homenagear os donos da casa se apresentando com a camiseta do Tricolor do Morumbi.

Billy Gould (Faith no More) – Palmeiras
BillyGouldPalmeiras
Ao contrário dos demais, Billy Gould, baixista do Faith No More, vestiu a camiseta do Palmeiras no show da banda em São Paulo em 1995 por ser torcedor fanático do time mesmo.

Tudo começou quando os irmãos Cavalera, Max e Iggor, grandes ícones do metal brasileiro e também torcedores do Palmeiras, fizeram a cabeça do vocalista Mike Patton e Billy para torcerem para o Verdão.

Hoje eles são palmeirenses fanáticos e em todo show da banda no Brasil eles fazem questão de lembrar disso, como no último show da banda por aqui, no festival SWU em que Billy saudou o Palmeiras.

Faith No More – Palmeiras – SWU 2011

Paul Di’Anno (Ex-Iron Maiden) – Corinthians
PaulCorinthians
E outro que também torce para um time brasileiro é o eterno ex-vocalista do Iron Maiden, Paul Di’Anno, e sendo ele inglês, obviamente que ele iria torcer para um time de raízes inglesas, o Sport Club Corinthians Paulista.

Quem conhece a história do clube, sabe muito bem que o time foi fundado em 1910, no bairro paulista do Bom Retiro, após a passagem do time inglês Corinthian pela cidade para alguns jogos amistosos. Alguns operários, inspirados no time inglês, fundaram no dia 1º de Setembro de 1910 o Sport Club Corinthians, em homenagem ao time da terra da rainha.

Paul, que morou durante um bom tempo no Brasil, principalmente em São Paulo, sendo um grande apaixonado por futebol, mais do que depressa adotou o Corinthians como time do coração. Hoje, Paul faz parte do bando de loucos.

Chris Carrabba (Dashboard Confessional) – Santos
ChrisSantos
Quem era jovem no início dos anos 2000 e acompanhou a ascensão do grupo emo Dashboard Confessional, formado pelo trovador solitário Chris Carrabba, com certeza lembra dos inúmeros vídeos e fotos em que Chris aparecia trajando uma camiseta do Santos Futebol Clube.
Como a banda nunca havia se apresentado no país, as perguntas eram muitas: Como ele conhece o time? Será que ele é torcedor mesmo? Será que ele só usa porque alguém falou que é do time do Pelé?

Em 2013 finalmente Chris Carrabba veio pela primeira vez ao Brasil, para uma série de shows solo, e o jornalista Wladimyr Cruz, do E-zine Zona Punk, que também é torcedor do Santos, fez a pergunta que todos nós sempre sonhamos em fazer, afinal de contas Chris Carrabba era mesmo Santista? E ele respondeu:

“Eu sempre gostei muito de futebol, e uma namorada minha na época era santista, portanto passei a acompanhar o time”.

Hoje vamos ficando por aqui, rapaziada. Na próxima voltaremos com mais.

Fila Benário ou Vinícius Vieira de Oliveira (como é menos conhecido) é estudante de Jornalismo da FAPSP e entre uns goles de Sprite, um Rock bem pesado e o seu amor incondicional pelo Coringão, mantém o blog musical Fila Benário Music.

Os textos e charges publicados na categoria CONVIDADOS, apresentam e refletem a opinião dos mesmos, não necessariamente alinhando-se com a do Blog Futebol-Arte. Sua publicação tem o propósito de apresentar diferentes pontos de vista e estimular reflexões e debates.

#futebolemusica

1 COMENTÁRIO

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.