De Torcidas e Amores

0
657

Para ouvir enquanto lê!

Nada por Mim
[ca_audio url_mp3=”http://54.198.123.184/wp-content/uploads/Nadapormim_MarinaLima.mp3″ url_ogg=”” skin=”regular” align=”none”]

Relacionamentos não são fáceis, profissionais, pessoais, amorosos. No começo, tudo é harmonia, mas logo a essência de cada um se mostra, os interesses divergem e os conflitos aparecem. Algumas relações acabam por isso, outras continuam sem que nenhuma das partes esteja feliz e outras sim, amadurecem, evoluem e os conflitos vão sendo superados.

Ao falar de relacionamentos, naturalmente pensamos nos casais e em como, muitas vezes, marido, mulher ou ambos, não dão o valor devido ao parceiro(a). O dia a dia traz um “automático” em que coisas importantes acabam sendo esquecidas, como a atenção, o afeto, o tempo disponível para o outro… Na relação clubes-torcedores a situação é parecida, mas ainda mais desequilibrada. É comum que os torcedores passem horas nas filas para a compra de ingressos, nem sempre com sucesso no final, que sofram com a violência, a falta de conforto nos estádios e de transporte na ida e na volta. Com as novas arenas e o sucesso dos programas de sócio-torcedor, isso parece que começa (apenas começando mesmo) a mudar um pouco.
TorcidasAmores
Apesar das semelhanças há, entretanto, uma diferença grande nas relações de torcidas e amores. Enquanto o sujeito jamais vai mudar de time, mesmo sendo maltratado ou o time apanhando feio em campo, no amor a coisa muda de figura e substituições, expulsões e transações de todos os tipos são corriqueiras. Nesse caso, a derrota é bem mais sentida.

“Não faça assim
Não faça nada por mim
Não vá pensando que sou seu…”
Herbert Vianna e Paula Toller