Encurralados e morrendo no Catar

1
859

Caros amigos,

Milhares de operários estão aprisionados em condições de trabalho desumanas no Catar sem conseguir voltar para casa. Uma empresa norte-americana pode ajudar a libertá-los. Podemos fazer sua presidente agir ao levar o horror da escravidão para a cidade onde ela mora. Junte-se ao apelo:

Forçados a trabalhar sob o sol escaldante do deserto, sem direito a comida ou água e proibidos de voltar para casa, milhares de homens estão no Catar como verdadeiros escravos modernos. Podemos ajudar a libertá-los.

No ano passado, uma pessoa morreu a cada dois dias na construção de um mega-projeto de um bilhão dólares para a Copa do Mundo de 2022 no Catar. A maior parte do projeto é administrada por uma empresa norte-americana, cuja presidente mora em uma cidade pacata no estado de Colorado, EUA. Se mais de 1 milhão de nós nos unirmos em prol da liberdade, podemos confrontá-la com nossas vozes toda vez que ela sair de casa até que ela faça alguma coisa.

Esta mesma tática forçou a rede de hotéis Hilton a proteger mulheres contra o tráfico sexual em questão de dias. Assine essa petição urgente para ajudar a libertar os escravos modernos do Catar:

https://secure.avaaz.org/po/bloodiest_world_cup_loc/?buWjOib&v=54343
CopaCatarMigracao
O programa de trabalhadores convidados do Catar é a raiz do problema. Trabalhadores do Nepal e Sri Lanka são enganados com promessas de bons empregos, mas quando chegam no país os empregadores confiscam seus passaportes e os forçam a trabalhar longas horas, sob um calor de 50 graus, sem nenhuma possibilidade de fuga.

CH2M Hill, a empresa norte-americana, coloca a culpa em prestadores de serviços locais e nas leis do país, mas é o rosto público das obras da Copa. A presidente da empresa pode e deve assumir um papel para garantir que não teremos mais sete anos manchados pela morte de operários. Ela poderia até mesmo ameaçar a retirada de seus negócios do país se o sistema não mudar.

A CH2M Hill tem o dever de ajudar a acabar com essa escravidão moderna. Nossa petição pode persuadir CH2M Hill a vir a público, o que pode levar outras empresas a exigir que cada trabalhador seja livre para voltar para casa quando quiser. Clique abaixo para assinar a petição: quando alcançarmos 1 milhão de assinaturas, nossa mensagem será enviada diretamente à Jacqueline Hinman, CEO da CH2M Hill, quantas vezes forem necessárias.

https://secure.avaaz.org/po/bloodiest_world_cup_loc/?buWjOib&v=54343

Um clamor global na hora certa pode salvar milhares de vidas. Quando a rede de hotéis Hilton não estava seguindo regras para proteger mulheres e crianças contra o tráfico sexual em seus estabelecimentos, a equipe da Avaaz bateu na porta da casa do CEO com uma petição. Em questão de dias, a política da rede de hotéis mudou. Vamos fazer isso mais uma vez.

Com esperança,

Emma, Nell, Mais, Ricken, Alice e toda a equipe da Avaaz

Mais informações:

Copa do Catar em 2022 já é desastrosa: 1200 operários mortos (Exame)
http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/copa-do-catar-em-2022-ja-e-desastrosa-1200-operarios-mortos

Copa do Mundo do Catar: 400 nepaleses mortos em obras desde que o país ganhou a proposta (Carta Capital)
http://www.cartacapital.com.br/internacional/copa-do-mundo-do-catar-400-nepaleses-mortos-em-obras-desde-que-o-pais-ganhou-a-proposta-4680.html

Estudo critica modo de contratação de estrangeiros no Catar (G1)
http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/07/estudo-critica-modo-de-contratacao-de-estrangeiros-no-catar.html

Revelado número de trabalhadores mortos da Copa do Mundo de 2022 (em inglês) (The Guardian)
http://www.theguardian.com/world/2014/dec/23/qatar-nepal-workers-world-cup-2022-death-toll-doha

Rumo a uma Copa do Mundo melhor (em inglês) (Human Rights Watch)
http://www.hrw.org/sites/default/files/reports/qatar0612webwcover_0.pdf

1 COMENTÁRIO

  1. […] A coisa tá feia mesmo pros lados da FIFA. Além da prisão dos dirigentes realizada ontem, um grupo de designers ativistas recriou os logotipos dos patrocinadores e parceiros da instituição que estão apoiando a Copa no Catar. A ideia é denunciar as condições de trabalho desumanas a que estão sendo submetidos os trabalhadores das obras do evento; as estimativas falam em mais de 1.400 mortos. Já havíamos falado do assunto em Encurralados e morrendo no Catar. […]

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.