2014, Balanço Final: o Futebol Brasileiro, Gabriel Medina e um divisor de águas

0
591

No ano em que o Brasil foi sede do maior evento esportivo mundial a marca que ficou foi uma “lavada” de 7 x 1 para a Alemanha que entrou para a história das Copas do mundo. Quem acreditou em Teixeiras, Marins e quetais deu com os burros n´água.

Quase no ocaso do ano, os atletas da natação resolveram acabar com esse baixo astral e conquistaram coincidentes sete medalhas de ouro no mundial de natação de piscina curta e a liderança no quadro geral de medalhas. Essa semana, para completar o serviço, o corintiano patrocinado pelo Santos Futebol Clube, Gabriel Medina, de apenas 20 anos, nos trouxe o primeiro título mundial de surfe, deu um verdadeiro show na etapa final no Havaí e lavou a alma dos brasileiros, sem esquecer de Ana Marcela Cunha e Alan do Carmo, brasileiros campeões da Copa do Mundo de Maratona Aquática.
GabrielMedina
A ironia é que 2014 ficou marcado também pela maior crise hídrica de nossa história, além de um debate ético envolvendo boa parte da classe política e da sociedade como um todo, como deixou claro o clima eleitoral e os escândalos de corrupção que quase conseguiram misturar água e óleo.

No livro Dom Quixote de La Mancha, de MIguel de Cervantes, o idealista personagem de mesmo nome se envolve em aventuras fantasiosas sempre confrontadas pela dura realidade. Nessa, que talvez seja a maior obra literária de todos os tempos, nosso herói “lutava contra moinhos de vento”, expressão que se tornou sinônimo de luta inútil.
DonQuijoteFutbol
Luta inútil é o que parece ser a dos que batalham contra as estruturas viciadas de nossas instituições esportivas, como as do futebol, da natação, do vôlei etc. etc. etc, com dirigentes se perpetuando no poder, escândalos e quase nenhum apoio aos nossos atletas. Apenas parece, porque água mole em pedra dura tanto bate até que fura e, pra ficar com um bordão futebolístico que nasceu em 2013 e foi reativado esse ano, EU ACREDITO (em mudanças)!

Para encerrar o ano, melhor seguir o exemplo dos nossos atletas que deram nó em pingo d´água e ouvir o que disse o cavaleiro andante:

“Sonhar o sonho impossível,
Sofrer a angústia implacável,
Pisar onde os bravos não ousam,
Reparar o mal irreparável,
Amar um amor casto à distância,
Enfrentar o inimigo invencível,
Tentar quando as forças se esvaem,
Alcançar a estrela inatingível:
Essa é a minha busca.”

Do Livro Dom Quixote – de Miguel de Cervantes