Um dia após o outro

0
456

Aos quarenta e cinco do segundo tempo
o goleiro vencido, a bola, sempre faceira,
resvala na trava e não entra (todos vêem),
e você diz: “porra, hoje não é meu dia!”
Mas, de repente, ela volta, amiga e redonda,
o goleiro ainda no chão, você bate de novo, altivo,
a bola vai, descreve um belo arco, a rede acolhe,
e você diz: “que gol lingo, porra, mereço!”

Fora do jogo, quando você menos espera,
um raio piedoso cai bem ao seu lado
e você, inerte, nada diz (ninguém vê).
Passado o susto, você cai em si e diz,
“esse bateu na trave, porra, que sorte!”
E você segue, nem alegre nem triste,
como se nada tivesse acontecido
mas com um certo vazio (ou alívio) no peito.

Leonardo Araújo