Pato x Jádson: bom negócio pra quem?

0
628

Foi selado ontem um negócio não muito comum nos dias de hoje no mundo do futebol, a troca entre dois jogadores de renome por clubes rivais. Corinthians e São Paulo, vivendo dias de alguma turbulência, resolveram trocar Pato por Jádson, ambos com passagens pela seleção e, até alguns meses atrás, com esperanças de serem chamados por Felipão para o time que vai disputar a Copa do Mundo 2014.

PatoJadsonImediatamente as opiniões passaram a ser emitidas tanto por torcedores e pela imprensa especializada, sem qualquer tipo de consenso. Quem saiu ganhando? Quem saiu perdendo? Foi melhor para qual dos jogadores? Para qual dos clubes?

Podemos ter dois olhares, o do presente e o do futuro, da projeção. No momento, mais do que um bom negócio, tivemos uma contingência, o famoso “é o que tem pra hoje”. Nas redes sociais chegou a circular uma opinião-piada que dizia: “O negócio Pato-Jádson é o primeiro caso do futebol mundial onde os dois times saem perdendo.”

Aos fatos e análises:
PositivoNegativo
Depois da invasão do Centro de Treinamento corintiano no último sábado por integrantes de torcidas organizadas, Alexandre Pato não tinha mais nenhuma condição de continuar a vestir a camisa alvinegra. Também é sabido que o Tricolor estava penando para encontrar um atacante, já que Luis Fabiano não é mais o mesmo. Ponto positivo para ambos.

Jádson teve bons momentos em 2013, mas “estabilizou-se” na reserva de Ganso, inclusive por apresentar-se fora de forma no começo da temporada. Já o Timão busca desesperadamente livrar-se de alguns “medalhões” como, por exemplo, Douglas (já foi para o Vasco) e Danilo, o que abre espaço para o atleta vindo do São Paulo. Novo ponto positivo para ambos.

Agora, o que definirá se foi um bom negócio e para quem, é o que os dois vão jogar nos próximos meses, anos. Se Pato jogar bem, o torcedor do São Paulo vai poder dizer que recebeu de graça, por quase dois anos, um jogador que custou R$ 40 milhões ao rival que, ainda por cima, vai pagar metade de seu salário. Se ele não for bem, vira um mico. O corintiano otimista, pode alegar que recebeu de graça um jogador com nível de seleção e que, no final das contas, ainda tem os direitos federativos do Pato. Em 2016, pode contar com ambos. Se os caras estiverem jogando bem, ótimo, caso contrário, micaço.
Mico
A dificuldade é que no momento não está fácil encontrar torcedores otimistas desses clubes, especialmente com esses jogadores.

O tempo dirá! Que ambos se recuperem.