Yes, We C.A.M.

0
669

Já disse por aqui que não acredito em sorte, mas assim como o Corinthians na Libertadores do ano passado, o Atlético-MG está com “sorte de campeão” na competição desse ano. Que jogo delicioso! Emoção e suspense até o último instante.

Se no ano passado o alvinegro paulista teve momentos emblemáticos como a defesa de Cássio diante de Diego Souza, seguido do gol de cabeça de Paulinho no final do jogo contra o Vasco; as partidas contra o Santos de Neymar e o Boca Jrs. na final, com o gol de Romarinho em seu primeiro toque na bola na Bombonera e Sheik mordendo a mão de um argentino aqui no Pacaembu; o Galo também já tem lembranças que dariam um livro. Os embates com o São Paulo na primeira fase, com o já famoso gol da malandragem de Ronaldinho Gaúcho pedindo água para Rogério Ceni; as goleadas com placares repetidos contra o Arsenal de Sarandi; a vitória dramática contra o Tijuana, do México, quando Vitor pegou um pênalti aos 47 minutos do segundo tempo e agora esse jogo contra o Newell’s…

Um gol no início pra incendiar o Horto, o gol necessário para levar o jogo pros pênaltis saindo apenas no final, feito por um reserva em seu segundo chute, duas vezes “atrás” no placar dos pênaltis até um novo pênalti pego por Vitor… Cuca parecia que iria morrer ali no gramado; assustador.
Galo
Já tem gente por aí brincando e dizendo que a final será feita por dois times paraguaios, o Olímpia, que é mesmo de lá, e o Atlético-MG, acostumado a ser o time do quase, aquele que “parece, mas não é”. Outros ainda, lembram do histórico e de questões pessoais e superstições do Cuca. Prefiro lembrar do quanto ele é competente e sabe armar um time e admirar o futebol que estão jogando Ronaldinho Gaúcho, Diego Tardelli, Jô, Bernard, Réver. O time está ajeitadinho, com pinta de campeão.

Não sou mineiro, não sou atleticano, mas assim como a torcida gritava por lá hoje, Eu acredito!