Avalanche de Críticas

0
535

A semana foi marcada pela tragédia ocorrida em Santa Maria. A morte de mais de 230 pessoas, em sua maioria jovens estudantes é fato difícil de ser entendido, explicado ou aceito. A imprensa apresentou muitas informações na tentativa de identificar as causas do lamentável episódio. De tudo que foi dito, acredito que seja possível resumir em dois fatores: a estupidez humana e a omissão das autoridades.

Mas qual a relação disso com futebol? Na última quarta-feira, três dias depois do incêndio na boate Kiss, na mesma região Sul do país, o Grêmio disputou um jogo decisivo com a LDU, pela chamada “pré-Libertadores”. A partida aconteceu na Nova Arena, estádio que o Tricolor gaúcho acaba de inaugurar. Pois estivemos prestes a assistir a uma nova tragédia. Um dos setores do novo e moderno estádio gremista foi reservado para que a torcida realize a chamada Avalanche, em que os torcedores correm arquibancada abaixo para comemorar os gols do time.

Nada contra a diversidade cultural e tradições regionais, mas certas manifestações não podem ser enquadradas dessa forma. São milhares de pessoas correndo alucinadas, espremendo as que estão a sua frente contra um muro de proteção/alambrado. Simplesmente não dá pra defender algo assim; está mais do que na cara que não vai dar certo. E aí fica a dúvida sobre a razão de alguém ter liberado parte do estádio para que isso ocorra. Dessa vez foram “apenas” cerca de 10 feridos sem maior gravidade, mas… teremos que esperar uma tragédia para olharmos com seriedade para a questão?

Que tal aproveitarmos o momento de fortalecimento financeiro dos nossos clubes e a modernização dos estádios que está ocorrendo em função da Copa 2014 para revermos também nossos comportamentos? Falamos disso no post Guia de Recomendação de Estádios. Vale tanto para as autoridades que costumamos criticar nessas horas, quanto para nós, simples torcedores.

Charge do Alpino, com imagem extraída do Yahoo.

COMPARTILHAR
Post anteriorTroféu Dividido ao Meio
Próximo postCartaz da Copa 2014 em Charges
Ricardo Roca
Formado em Comunicação Social e pós-graduado em Administração de Empresas, ambos os cursos pela ESPM, atualmente cursando mestrado em Linguística. Professor universitário, sócio da Roda Fiandeira, consultor nas áreas de comunicação e marketing e apaixonado por futebol e arte.