Soneto 914 Manual

0
608

Sumiu um par de tênis que ficava
jogado pelo chão do vestiário.
Disseram que eles eram do Romário,
mas são de quem um pênalti inda cava.

Faz tempo que seu couro não se lava,
e a cor já desbotou, dado o precário
estado a que, trancados num armário,
chegaram, e a catinga agora é brava.

Quem foi que a mão passou no tal calçado,
tão sujo que ninguém o calçaria?
Só pode ser proeza dum tarado!

Vocês verão, mais dia, menos dia,
vai ele aparecer, tendo passado,
além da mão, a língua, sua mania!

Glauco Mattoso