Adeus, Ricardo Teixeira

0
537

“Presidir paixões não é uma tarefa fácil. Futebol em nossos pais e associado a duas imagens: Talento e desorganização. Quando ganhamos, exaltam o talento. Quando perdemos, a desorganização. Fiz nesses anos o que estava ao meu alcance, sacrificando a saúde. Fui criticado nas derrotas e subvalorizado nas vitórias. Deixo definitivamente a presidência da CBF com a sensação de dever cumprido”.

Carta de renúncia de Ricardo Terixeira, da CBF, divulgada hoje; momento histórico do futebol brasileiro.

COMPARTILHAR
Post anteriorPeriodização Tática: o futebol arte alicerçado em critérios
Próximo postPrenderam o Zorro?
Ricardo Roca
Formado em Comunicação Social e pós-graduado em Administração de Empresas, ambos os cursos pela ESPM, atualmente cursando mestrado em Linguística. Professor universitário, sócio da Roda Fiandeira, consultor nas áreas de comunicação e marketing e apaixonado por futebol e arte.