Pedido de Natal

0
903

Querido Papai Noel,

Como todo mundo, estou te enviando essa cartinha para pedir o meu presente de Natal. Eu poderia pedir um goleiro de elástico, como cita aquela música Partida de Futebol, do Skank ou laterais velozes, capazes de fazer a marcação na defesa e apoiar o ataque com a mesma força. Poderia ainda pedir zagueiros fortes e raçudos, daqueles que, de vez em quando, sobem ao ataque e arriscam uns golzinhos de cabeça; poderia pedir volantes que não são simples cães de guarda, destruidores de jogadas, mas jogadores habilidosos que desarmam, armam contra-ataques e dão ótimos “primeiros passes”. Talvez pudesse pedir meias cheios de habilidade, domínio de bola e visão de jogo, como aqueles camisas 8 e 10 de antigamente. Quem sabe uma dupla (trio seria ainda melhor) de atacantes com pontas dribladores, daqueles que infernizam a zaga adversária e mudam o destino de um jogo, até de um campeonato e um centroavante matador. Daqueles cujo destino já estava traçado na maternidade, que encostam na bola e ela entra, mesmo que sejam considerados “grossos” de bola.

Eu poderia pedir isso tudo ou uma parte disso, mas… meu pedido é outro. Sei que hoje em dia existe o chamado profissionalismo, que faz com que o craque do meu time jogue (ou queira jogar) no maior rival na temporada seguinte ou que com esses salários astronômicos e todo o assédio que isso gera faz com que alguns dos não-craques se percam pela noite, entre prazeres que provavelmente não teriam caso não fossem boleiros. Sei que tudo isso faz com que os dirigentes fiquem no meio do caminho entre o tal profissionalismo e o amor à camisa.

Apesar disso tudo, meu pedido é bem simples: quero jogadores e dirigentes comprometidos com os resultados do meu time, éticos, dedicados…

Será que estou pedindo muito?

COMPARTILHAR
Post anteriorÉtica boleira e Melindres
Próximo postFrases de Futebol – Nuno Ramos
Ricardo Roca
Formado em Comunicação Social e pós-graduado em Administração de Empresas, ambos os cursos pela ESPM, atualmente cursando mestrado em Linguística. Professor universitário, sócio da Roda Fiandeira, consultor nas áreas de comunicação e marketing e apaixonado por futebol e arte.