Vamos, vamos Chape – Por Daniel Pereira

0
546

Antes de começar a falar sobre um novo enorme clube, queria dizer que não é só o Brasil que está em luto, mas o futebol e as pessoas do mundo inteiro.

Acordei hoje de manhã e fui dar bom dia para a minha mãe. Foi então que ela me deu a notícia de que o avião que levava o time da Chapecoense para Medellín para a primeira partida da final da Copa Sul Americana havia caído. Liguei a TV para saber mais notícias e se era muito grave. Eram 25 mortos e 5 feridos, até o momento em que eu fui para a escola. Quando eu entrei na sala de aula, pelo site da Globo, já eram 76 mortos e o número de feridos continuava o mesmo (5). Eu, meus amigos e minhas amigas ficamos surpresos com o número de mortos do time de Santa Catarina. Eu tentava disfarçar, falando que estava com sono, mas não dava, a paixão pelo time é e vai continuar sendo enorme.

Conheci esse time em 2012, no restaurante do aeroporto no Rio de Janeiro. Pedi autógrafos e tirei fotos. A Chape ainda estava na série C do Campeonato Brasileiro. O time deslanchou desde então, ficou apenas um ano na série C e outro na B, quando fomos ver e o time já estava na série A. Fiquei muito feliz quando vi. E assim foi criada uma paixão dentro de mim e do meu coração.

Saí da escola triste, de cabeça baixa, não saía um sorriso, por mais que eu tentasse. Estava entalado na minha garganta. Mais notícias foram chegando e se espalhando pelo mundo, todos os programas estavam desanimados, com motivo. Com as imagens do avião dava para ver que ele estava muito destruído. No Jogo Aberto, na Band, disseram que o avião que levava a Chapecoense alcançaria apenas 3000 km, não daria para chegar no aeroporto de Medellín. Finalmente cheguei da escola e pude dar um abraço em meu pai e na minha mãe, dizer o quanto eu estava triste e liberar as muitas lágrimas que estavam presas nos meus olhos.

ChapenoCeu
Foram 22 jogadores mortos e 3 jogadores sobreviventes (Alan Ruschel, Neto e Follmann). Morreram também o técnico Caio Júnior e o presidente da Chape, além do narrador Deva Pascovicc, recém chegado no canal Fox Sports, que iria narrar o jogo entre o time brasileiro e o colombiano, e outros jornalistas.

Que todos os jogadores da Chapecoense descansem em paz e que sejam premiados, não só com medalhas, mas sim com a alegria, felicidade, carisma e muito mais. Pois sempre terão um espaço guardado nos corações de todos os torcedores do mundo. E esses corações serão para sempre Chapecoense.

Daniel Pereira, dez anos, é estudante do quinto ano do Colégio São Domingos, santista roxo, apaixonado por futebol e por videogame, gosta de livros e de Ciências e tem a Chape no coração.

Os textos e charges publicados na categoria CONVIDADOS, apresentam e refletem a opinião dos mesmos, não necessariamente alinhando-se com a do Blog Futebol-Arte. Sua publicação tem o propósito de apresentar diferentes pontos de vista e estimular reflexões e debates.

#forcachape

COMPARTILHAR
Post anteriorGol Azul – Jogo das Estrelas
Próximo postOusadia x Pedalada
Ricardo Roca
Formado em Comunicação Social e pós-graduado em Administração de Empresas, ambos os cursos pela ESPM, atualmente cursando mestrado em Linguística. Professor universitário, sócio da Roda Fiandeira, consultor nas áreas de comunicação e marketing e apaixonado por futebol e arte.