O preço e o valor das coisas

4
795

Quando a gente é criança, logo associa, dia do aniversário com dia de ganhar presente. Como faço aniversário (hoje) no mesmo mês do meu único e querido irmão, para economizar, era comum que meus pais fizessem uma comemoração apenas, entre as duas datas. Conforme o dia do aniversário ia se aproximando, vinham as perguntas sobre o que gostaríamos de ganhar. Imediata e invariavelmente eu pedia uma bola, que usaria a partir do exato segundo que a ganhasse até que ela se desintegrasse pelo tempo ou fosse furada por algum vizinho rancoroso com os chutes do nosso time da rua. Meu irmão, tinha pedidos mais variados; já antecipando seu gosto mais “refinado”.

Em uma dessas vezes, diante de tal pergunta, novamente pedi uma bola e o Claudio, meu irmão, pediu algo um tanto mais caro. Não me lembro o que era exatamente; talvez fosse um pequeno computador ou um Atári (vídeo-game da época). Na mesma hora, meu pai ponderou que não lhe parecia justo dar para um dos filhos um presente que custasse, por exemplo, R$ 50,00 e para o outro algo que custava cinco ou seis vezes mais… e me pediu pra rever minha escolha. Diante daquela situação, sem saber o preço, mas sabendo direitinho o valor que as coisas têm, pensei no futuro e soltei, fulminante e lógico:

– Então veja quanto custa o presente do ‘Clau’ e me compre o mesmo valor em bolas…

Obs.: Hoje, aos 42 anos, com o corpo bem diferente de quando eu era adolescente, já não me inspiro mais a pedir bolas de futebol. Agora, nem preciso pedir e já me presenteiam com livros sobre o assunto.

COMPARTILHAR
Post anteriorSoneto 862 Diferencial
Próximo postFrases de Futebol – Eric Hobsbawn
Ricardo Roca
Formado em Comunicação Social e pós-graduado em Administração de Empresas, ambos os cursos pela ESPM, atualmente cursando mestrado em Linguística. Professor universitário, sócio da Roda Fiandeira, consultor nas áreas de comunicação e marketing e apaixonado por futebol e arte.

4 COMENTÁRIOS

  1. Ricardo, meus olhos se encheram de lagrimas, ao ler o texto, me deu uma saudade imensa, do tempo em que vc ainda me pedia bolas, meus filhos ainda eram meus, a gente se esquece que cria filhos para o mundo.
    Mesmo assim, continuo orgulhosa de vocês,e você continua fiel no seu gosto por tudo que se relaciona a bolas.
    Vendo o seu blog, não posso deixar de admitir, com imparcialidade, que vc continua o mesmo menino que redige magnificamente bem, além de ter um português perfeito, o que também me enche de orgulho.
    Que eu possa continuar te cumprimentando por muitos anos.
    beijos de sua mãe que te ama muitoooo.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.